As nossas políticas

1. Política de privacidade

A sua privacidade é importante para nós. A presente declaração descreve as práticas que seguimos quanto à privacidade de todos os visitantes de todas as páginas de www.ihbelfast.com.

Cookies

Quando se conecta a qualquer uma das nossas páginas, o servidor que hospeda o nosso site registará, de forma automática, a direção IP do seu computador, a data e a hora em que entrou e saiu do site e em que páginas navegou. Utilizamos esta informação apenas com finalidades estatísticas e para melhorar a experiência e os serviços que oferecemos neste site.

Com esta finalidade, utilizamos cookies de sessão quando visita o nosso site. Uma cookie é um pequeno ficheiro de texto que se regista no seu computador e que nos ajuda a conhecer as suas preferências enquanto navega pelo nosso site e, deste modo, podemos saber como funciona a nossa Web. Uma cookie de sessão é um ficheiro temporário que se apaga do seu computador quando fecha o navegador. As nossas cookies não armazenam palavras-passe nem qualquer informação pessoal.

Não monitorizamos informação pessoal, como o nome, a direção e o número de telefone, etc. a menos que nos tenha indicado esses dados de forma expressa.

Recolha e uso de dados

Se decidir que quer mais informação sobre os nossos serviços, terá que preencher um formulário. Esse formulário recolhe informação básica sobre si, assim como alguns dados demográficos, como o seu país, nome da sua empresa e o seu cargo. Alguma desta informação é opcional.

Também será pedida informação de contacto básica se decidir subscrever as nossas newsletters.

Caso se registar como estudante em qualquer um dos nossos cursos, iremos pedir-lhe os seus dados pessoais como o nome e o apelido, a direção, os números de telefone, a data de nascimento, emprego e e-mail.

A informação pessoal que nos proporcionar será guardada num ficheiro confidencial do qual International House Belfast, Belfast BT7 1HP, é o único responsável. Utilizamos a informação demográfica apenas com finalidades de análise estatística e de investigação interna para ajudar-nos a compreender melhor as necessidades e preferências dos nossos utilizadores.

Podemos utilizar esta informação para manter o utilizador informado em relação a futuras promoções. Em nenhum caso, a informação que proporcionar será fornecida a qualquer terceiro

Segurança/integridade dos dados

Dispomos de funções de segurança tecnológica e operativa para proteger informação identificável pessoalmente em qualquer perda, mau uso, alteração ou destruição.

A matriculação e o pagamento online dos nossos cursos ocorrem num servidor seguro.

Caso deseje ver a informação que temos sobre si, modificar os dados ou eliminar a informação da nossa base de dados, entre em contacto conosco, através de qualquer um dos meios que se indicam nos dados de contacto que aparecem no rodapé desta página.

Terceiros

A informação pessoal que nos proporciona não é disponibilizada a qualquer terceiro em nenhum momento. Utilizamos a informação que nos proporciona apenas pelos motivos que se especifica neste documento.

Não realizamos publicidade de terceiros no nosso site. Incluímos porém links para páginas Web de terceiros e, se os visitar, obviamente estará sujeito às suas políticas de privacidade, e não às nossas.

Aceitação desta política

A visita desta página Web ou a utilização de qualquer um dos serviços que se prestam nela constitui a aceitação, pela sua parte, da política que se descreve nesta página.

Caso tenha qualquer pergunta ou comentário quanto à sua privacidade enquanto utiliza www.ihbelfast.com, contacte pelo e-mail study@ihbelfast.com.

Esta página Web cumpre as recomendações da Agência Espanhola de Proteção de Dados.

  1. Política de proteção

Política de proteção de crianças, jovens e adultos vulneráveis (doravante, «Menores»)

NOME DA ORGANIZAÇÃO: International House Belfast
RESPONSÁVEL PRINCIPAL DA PROTEÇÃO: Paul McMullan
CONTACTO: paul@ihbelfast.com
Director’s Office Above Study Room
International House Belfast
109-111 University St. Belfast BT7 1HP
Tel: 0044 (0) 2890 330700
A ENCARREGADA SECUNDÁRIA É: Duanes Santos
CONTACTO: dsantos@ihbelfast.com
Reception
International House Belfast
109-111 University St. Belfast BT7 1HP
Tel: 0044 (0) 2890 330700

Reconhecemos que o bem-estar das crianças, menores e adultos vulneráveis é fundamental e que têm igualdade de direitos de proteção. Temos o dever de cuidar deles quando estão a nosso cargo e faremos tudo o que for possível para lhes proporcionar um ambiente seguro e cuidadoso enquanto participam nas nossas atividades.

Definições principais

Um menor é qualquer pessoa com menos de 18 anos.
Um adulto vulnerável é alguém que é, ou pode ser, incapaz de se proteger de um dano ou uma exploração grave, como por exemplo:

  • Pessoas idosas
  • Pessoas com problemas de saúde mental
  • Pessoas com incapacidades
  • Pessoas com dificuldades de aprendizagem
  • Pessoas que tenham sofrido danos cerebrais
  • Pessoas com problemas de vícios

Iremos encarregar-nos de:

  • tratar todos os menores e adultos vulneráveis com respeito e celebrar as suas conquistas com recompensas, elogios e feedback positivo
  • contratar e selecionar com cuidado todos os adultos, quer recebam remuneração ou não
  • responder às preocupações e alegações de forma adequada
  • adotar as recomendações do kit de ferramentas para a proteção de SAFE CIC.

A proteção dos menores é responsabilidade de todos.

Quando existirem suspeitas sobre o bem-estar de qualquer jovem/adulto vulnerável, espera-se que todos os adultos da nossa organização partilhem essas suspeitas com o Encarregado de Proteção.

Essa pessoa é responsável por:

  • realizar o seguimento e registar essas suspeitas
  • derivar os casos para os serviços sociais de menores sem demora
  • coordenar-se com outras agências
  • organizar formação para todo o pessoal

Somos conscientes de que os nossos estudantes podem ser especialmente vulneráveis por não terem o inglês como língua materna e que qualquer possível abuso poderia estar a ocorrer no seu país de origem. Notificaremos todos os casos em conformidade com esta política, sem nenhuma exceção.

Também somos conscientes de que os professores que contratamos podem ter passado tempo noutros países e que os certificados de antecedentes penais apenas incluirão os delitos cometidos no Reino Unido.

Confidencialidade

No caso de que os menores, adultos vulneráveis, pais ou cuidadores denunciem abusos, temos a obrigação de partilhar a informação com o responsável principal da proteção, que deverá notificar as nossas suspeitas aos serviços sociais ou à polícia, caso se trate de uma emergência.

Alegações do pessoal

As suspeitas sobre o comportamento de adultos na organização serão notificadas sem demora ao Responsável Principal da Proteção, que entrará em contacto com o Agente Designado da Autoridade Local nos Serviços Sociais de Menores, ou com a polícia, se for uma emergência.

Pode acontecer que as suspeitas façam referência ao responsável principal e, neste caso, é importante notificar isso ao responsável secundário. Esta situação pode ser inadequada e, nesse caso, qualquer membro do pessoal poderá notificar diretamente o Agente Designado da Autoridade Local.

Gestão das denúncias

Uma suspeita pode surgir pela denúncia verbal ou pela interação ou o comportamento de uma criança, jovem ou adulto e é importante que todos se lembrem do seguinte:

Caso sinta preocupação por uma criança/jovem/adulto vulnerável, é importante que esta informação se indique ao responsável principal da proteção de menores e/ou ao responsável secundário.

É possível que lhe surjam suspeitas de possíveis abusos dos modos seguintes:

  • Pelas suas próprias observações e preocupações;
  • Porque outra pessoa lhe conta as suas preocupações com um menor;
  • Porque o menor lhe conta;
  • Porque o abusador lhe conte.

Lembre-se de que também é possível que não trabalhe diretamente com o menor, mas que lhe surjam suspeitas por dificuldades que sofram os adultos, ex.:

  • Casos de violência doméstica
  • Problemas de saúde mental
  • Casos de dependência de substâncias e alcoolismo

Outras suspeitas podem surgir por:

  • Crianças que vivem fora de casa ou que tenham desaparecido
  • Abuso dos colegas, como bullying
  • Raça e racismo
  • Extremismo violento
  • Exploração sexual
  • Mutilação de genitais femininos
  • Casamento forçado
  • Ocultação de gravidez
  • Tráfico de menores
  • Segurança na Internet

Lembre-se:

  • Não demore.
  • Não investigue.
  • Procure o aconselhamento do responsável principal da proteção de menores ou do responsável secundário.
  • Registe cuidadosamente qualquer coisa que observe ou lhe digam.

Como atuar em caso de suspeitas

Asseguramos e frisamos que toda a gente na nossa organização compreende e sabe como partilhar qualquer suspeita imediatamente com o responsável principal de proteção e o responsável secundário. Com esta finalidade, damos formação, fazemos posters, manuais do pessoal e informação de matriculação e colocamos informação nas zonas de pessoal. Toda a gente, incluindo o responsável principal da proteção de menores e o responsável secundário, fará frente às suspeitas, seguindo o procedimento que se descreve abaixo:

Passo 1

  • Viu algo
  • Um menor afirma ter sido vítima de abusos
  • Outra pessoa diz-lhe que tem suspeitas
  • Existiram acusações contra um membro do pessoal
  • Houve acusações anónimas
  • Um adulto revelou que abusou de um menor
  • Um adulto revelou que sofreu abusos em criança

Passo 2 (em 24 horas)A sua organização deveria ter uma política para a proteção de menores. Fale com o responsável principal da proteção de menores ou com o responsável secundário.

Passo 3Essa pessoa (ou qualquer outra pessoa, caso não esteja disponível) deveria transmitir a suspeita aos Serviços Sociais de Menores e/ou à policia (em caso de emergência) e fazer o seguimento da denúncia por escrito no prazo de 24 horas.

Importante: nenhuma questão colocada deve poder atrasar a denúncia. Em caso de emergência, contacte a polícia.

Gestão das acusações/Como fazer frente às queixas / Procedimentos disciplinares e de reclamação

Dispomos de políticas claras que seguem as recomendações da SAFE em relação à gestão de acusações e queixas, e com os nossos procedimentos disciplinares e de reclamação; esses detalhes serão postos à disposição de todos os adultos, crianças, pais e cuidadores sempre que necessário, através de formação/posters/ manual para o pessoal/informação nas zonas de pessoal/informação de matriculação.

Somos conscientes de que os três procedimentos podem confundir antes de dar o seguinte passo. Deixamos claro que, em qualquer caso em que se tenha apresentado uma queixa sobre qualquer ação inapropriada ou má prática, trataremos a situação com os serviços sociais de menores antes de tomar uma decisão aberta sobre qual é a melhor maneira de proceder.

O responsável principal da proteção de menores ou o responsável secundário deverá garantir que esses procedimentos se cumprem de forma estrita. No caso de que o responsável principal da proteção de menores esteja envolvido na acusação, é preciso informar o responsável secundário. Em circunstâncias excecionais de que ambos estejam implicados, a pessoa que tenha suspeitas tem o dever de entrar em contacto com os serviços sociais de menores diretamente.

Os serviços sociais de menores irão encarregar-se de qualquer investigação, com a supervisão do Agente Designado da Autoridade Local, em conformidade com os procedimentos da Junta Local de Proteção de Menores, que se podem consultar na sua página Web.

Sobre os procedimentos disciplinares e de queixa, frisamos que não tomaremos nenhuma medida até que tenhamos pensado e acordado uma estratégia com o Agente Designado da Autoridade Local, os serviços sociais de menores e/ou a polícia. Qualquer investigação será anteposta à necessidade de implementar qualquer um destes procedimentos. Os prestadores de cuidados infantis, serviços educativos, de saúde ou outros serviços formais são responsáveis por levar a cabo a denúncia de qualquer pessoa que represente ou possa representar um risco para os menores. Outras organizações serão coordenadas com o Agente Designado da Autoridade Local e com as agências locais caso se deva realizar essa denúncia.

Registos

Todos os registos serão conservados na caixa forte do Departamento de Contabilidade do primeiro andar do edifício de 109 University Street. Apenas o responsável principal da proteção de menores e/ou o responsável secundário terão acesso aos registos, que apenas se conservarão durante o tempo que seja necessário.

Normalmente, esses registos serão entregues aos serviços sociais de menores o mais rapidamente possível. Todos os registos serão escritos à mão (e, se registados eletronicamente, mantidos numa zona segura) por parte da pessoa que tenha suspeitas no prazo de 24 horas, em papel timbrado ou folhas de incidências e deverá relatar os factos de forma objetiva, sem emitir juízos. Todos estes registos terão uma primera página em que se enumerarão os documentos por ordem cronológica.

É útil registar qualquer detalhe do menor implicado, como o nome, direção, data de nascimento, etc. Todos os registos devem ser uma descrição objetiva dos factos. Também é importante fazer constar os motivos da decisão, tanto se não se denuncia o caso aos serviços sociais de menores, como se isso ocorrer. A pessoa que leva a cabo o registo deve sempre assinar, indicar o nome e o seu cargo claramente. Também deve ser indicada a data e a hora do registo.

Reveremos esta política anualmente:

DATA DA REVISÃO ATUAL: abril de 2018

DATA DA PRÓXIMA REVISÃO: abril de 2019

Referência

Working Together to Safeguard Children 2013

Equality Act 2010

Existem materiais adicionais disponíveis na secção de referência em www.safecic.co.uk

  1. Política de segurança na Internet

Reconhecemos que o bem-estar de todos os menores é fundamental e que todos os menores, independentemente da sua capacidade ou cultura, têm os mesmos direitos à proteção. Temos o dever de assistência e proteção sempre que um menor estiver a nosso cargo e faremos tudo o que for possível para proporcionar um ambiente seguro e cuidadoso enquanto participam nas nossas atividades.

Objetivo da política

Poremos em prática os princípios mais exigentes em relação às práticas de proteção em todas as nossas atividades com menores, as suas famílias e/ou cuidadores. Respeitaremos estritamente esta política em todos os aspetos do nosso trabalho quando alguém da nossa organização aceder a qualquer tipo de comunicação digital ou eletrónica, como é o caso da Internet, telemóvel, jogos, fotografias e vídeos. Esta política deverá ser lida junto com as Políticas de proteção de menores e sobre fotografias.

Responsável principal e secundário da segurança na Internet

Gerir a segurança na Internet pode ser uma tarefa exigente e que representa um grande desafio, pelo que deve ser atribuída no nível de administração/ou dos comités a pessoal que esteja disponível quando estivemos operativos.

NOME DA ORGANIZAÇÃO: International House Belfast
RESPONSÁVEL PRINCIPAL DE SEGURANÇA NA INTERNET: Paul McMullan
CONTACTO: paul@ihbelfast.com
Director’s Office Above Study Room
International House Belfast
109-111 University St. Belfast BT7 1HP
Tel: 0044 (0) 2890 330700
RESPONSÁVEL SECUNDÁRIA: Duanes Santos
CONTACTO: dsantos@ihbelfast.com
Reception
International House Belfast
109-111 University St. Belfast BT7 1HP
Tel: 0044 (0) 2890 330700

A sua obrigação é supervisionar e garantir que a nossa política de segurança na Internet se cumpre na sua totalidade. Isto inclui garantir que eles e todo o pessoal recebem a informação necessária sobre segurança na Internet e a formação adequada sobre proteção de menores. O responsável secundário deveria estar disponível para prestar apoio ou cobrir o responsável principal designado. Essa pessoa também deverá gerir qualquer queixa ou acusação contra o responsável principal designado, se for o caso. Esta política será posta à disposição de todos os adultos, menores, e pais/cuidadores através de formação, posters, manual de pessoal, informação nas zonas de pessoal e na informação de matriculação.

Por que precisamos de uma política de segurança na Internet?

Os recentes avanços da Internet, os telemóveis e outra tecnologia eletrónica facilitaram cada vez mais o acesso à informação e à comunicação a todo o mundo. Calcula-se que 98% dos adolescentes podem aceder à Internet fora da escola. Além de se documentarem para fazerem os trabalhos académicos, a maioria deles usam as redes sociais, como bebo, MySpace ou Facebook, jogam jogos como RuneScape e descarregam música e vídeos em sites como Lime Wire.

Um estudo recente do Child Exploitation & Online Protection Centre (CEOP) de 2007, em que participaram 6.000 menores entre 11 e 16 anos, demonstrou que 25% tinha conhecido um novo “amigo” da Internet na vida real, 25% tinha-se encontrado com essa pessoa a sós, 2% tinha levado um adulto da sua confiança, e o resto tinha levado um amigo da sua idade. As diretrizes do governo são claras ao indicar que todas as organizações que trabalhem com crianças, adolescentes, famílias, pais e cuidadores, têm responsabilidades. É importante recordar que as crianças e adolescentes também podem cometer abusos e que esses incidentes se enquadram no âmbito desta política.

“Todos os organismos que prestem serviços a menores têm a obrigação de compreender os problemas da segurança na Internet e reconhecer o seu papel para ajudar os menores a permanecerem seguros enquanto navegam na Internet, ao mesmo tempo que dão apoio aos adultos que cuidam de menores”.

Safeguarding Children in a Digital World, BECTA 2007; 02.1

O nosso código de conduta sobre segurança na Internet

Esperamos que toda a gente na nossa organização aceite e subscreva o nosso código de conduta.
Comprometo-me a:

  • Utilizar Internet e outras formas de comunicação de forma sensível e educada.
  • Apenas visitar páginas Web, enviar mensagens ou aceder e utilizar outros recursos de forma que não magoe ou cause danos a ninguém.
  • Pedir autorização para utilizar informação pessoal ou tirar fotos de outras pessoas.
  • Notificar qualquer preocupação ao encarregado principal ou secundário de segurança pela Internet de imediato.
  • Saber que não posso manter a confidencialidade se existirem suspeitas sobre o bem-estar de um menor.

Quais são os riscos?

Existem muitos riscos potenciais para as crianças e menores. Enumeram-se de seguida alguns:

  • Aceder a páginas Web inapropriadas para a idade ou que sejam ilegais.
  • Receber mensagens de texto ou de e-mail ou imagens não desejadas ou incomodativas.
  • Ser «enganado» por um adulto com o objetivo de se reunir com a criança ou menor para levar a cabo os seus fins ilegais ou ações relacionadas com sexo, drogas ou delinquência.
  • Ver ou receber material socialmente inaceitável, como o que pode fazer apologia do ódio ou da violência.
  • Enviar mensagens de bullying ou publicar dados maliciosos sobre outras pessoas.
  • Ignorar as leis de copyright com a descarga de música, vídeos ou mesmo material para copiar nos trabalhos académicos.

Que outras coisas podem provocar preocupação?

Uma criança ou menor que:

  • Não quer dizer onde vai ou com quem esteve.
  • Não permita que se veja por onde navega na Internet.
  • Utilize uma Webcam numa zona fechada, sem a presença de outras pessoas.
  • Navegue na Internet ou use o telemóvel um Personal Data Assistant (PDA) durante períodos prolongados e a todas as horas.
  • Apague o histórico de navegação do computador sempre que o usar.
  • Receba dinheiro ou presentes inesperados de pessoas que não conhece.

Um adulto que:

  • Faça amizade com crianças pela Internet ou por mensagens.
  • Tenha amizade com crianças no seu Facebook ou qualquer página sua numa rede social; especialmente se trabalharem num cargo com crianças a seu cargo, como treinador desportivo ou animador juvenil.
  • Não quer dizer o que fez ou com quem esteve.

O que devo fazer se tiver suspeitas?

Caso tenha alguma suspeita, fale imediatamente com o responsável principal ou secundário de segurança na Internet.
Essa pessoa tomará as medidas seguintes. Contactos para realizar a denúncia, se a suspeita fizer referência a:

  • Um menor em perigo iminente, CHAME SEMPRE A POLÍCIA.
  • O bem-estar de um menor, contacte os Serviços Sociais de Menores da área. O número pode ser encontrado em www.SAFE.co.uk, seguindo o link do seu Local Safeguarding Children’s Board (LSCB).
  • Comportamento ou intenções de carácter sexual de uma pessoa conhecida, contacte os Serviços Sociais de Menores da área.
  • Uma pessoa que tenha o «dever de assistência e proteção» na organização, contacte os Serviços Sociais de Menores da área. O Oficial Designado da Autoridade Local supervisionará e aconselhará sobre qualquer um dos procedimentos seguintes.
  • Comportamento ou intenções de carácter sexual de uma pessoa desconhecida, informe o www.ceop.gov.uk (Child Exploitation and Online Protection Centre).
  • Conteúdo nocivo, incluindo imagens de abusos sexuais a menores ou incitação ao ódio racial, entre em contacto com www.iwf.org.uk.

Lembre-se:

  1. Não demore.
  2. Não investigue.
  3. Procure o aconselhamento do responsável principal ou secundário de segurança na Internet.
  4. Registe cuidadosamente qualquer coisa que observe ou lhe digam.

Outros contactos úteis

NSPCC, Tel: 08008005000

Os menores podem pedir ajuda e aconselhamento em: www.childline.org.uk Tel: 0800 1111 www.there4me.com

Se precisar de aconselhamento sobre suspeitas de bullying e hacking, visite: www.thinkuknow.co.uk

Consultoria técnica:

  • Contacte o seu distribuidor local ou a sua operadora de telefone ou de software.
  • Peça aconselhamento sobre vírus em www.getnetwise.co.uk
  • Em caso de problemas relacionados com o telemóvel, entre em contacto com a sua operadora telefónica.

Como minimizar os riscos

Deveremos:

  • Falar com as crianças e menores sobre que páginas visitam quando acedem à Internet.
  • Manter os computadores num espaço geral em que possamos controlar o que se passa.
  • Explicar os riscos de proporcionar dados pessoais pela Internet.
  • Falar sobre como as pessoas podem aparentar o que quiserem pela Internet, por exemplo, utilizando e-mails falsos, fotografias de outras pessoas, mentir sobre a idade, a sua escola ou hobbies.
  • Consciencializar os menores de que devem ter muito cuidado com as fotos ou vídeos que utilizam na Internet. Podem ser utilizados ou alterados por outras pessoas ou podem não ser apropriados.
  • Aconselhar os menores que apenas enviem mensagens, conversem ou usem a Webcam com pessoas que conheçam na realidade.
  • Falar sobre como identificar mensagens de SPAM ou e-mails de hacking e sobre como eliminá-los. Também se deve aplicar às mensagens de desconhecidos ou no momento de abrir ficheiros em anexo.
  • Falar sobre como há pessoas que ocultam a sua identidade na Internet e da importância de não se encontrarem nunca com novos «amigos» virtuais na vida real.
  • Assegurar-se de que os menores entendem que podem sempre falar conosco, ou com os seus pais ou cuidadores sobre qualquer coisa que os incomode.
  • Pesquisar juntos informação na Internet sobre como fazer frente aos problemas ou denunciá-los.
  • Falar sobre como/quando a informação ou as imagens que se carregam na Internet nunca podem ser apagadas.

Referências

  • Every Child Matters DCSF 2003 e a posterior Children Act 2004.
  • Children Act 1989
  • What To Do if You’re Worried A Child Is Being Abused 2003 (Descarregar em
    www.dcsf gov.uk)
  • Sexual Offences Act 2003
  • Children Act 2004
  • Working Together to Safeguard Children 2013
  • Local Safeguarding Children Board Policies and Procedures Ver todas as referências relevantes na página de início de www.SAFE.co.uk